Hardware

O Pack Standard (849€) inclui o Drone, o controlador remoto, uma bateria, oito hélices, cabos e um carregador mas a DJI oferece também a opção "Fly more combo" (1230€), que inclui três baterias, 12 hélices, 1 saco e um carregador de 4 baterias.

Drone

Equipado com a bateria, o novo Drone da DJI, Mavic Air, pesa um pouco menos do que 430g. Muito bem construído, o Mavic Air foi pensado para ser robusto apesar do seu tamanho e peso reduzidos.

O "Slot" do cartão de memória (microSD) está localizado na retaguarda, perto da entrada USB-C. Esta entrada é usada para aceder à memória interna de 8GB e conectar o Mavic Air ao software DJI Assistant no computador.

 

Controlador Remoto

A DJI renovou o controlador remoto usado no DJI Spark e agora o Mavic Air tem um controlador remoto com "sticks" removíveis para facilitar o transporte. A opção "Fly More Combo" inclui, ainda, um par de "Sticks" extra caso se percam os originais. O principal problema é a fraca qualidade da roda de controlo da inclinação da câmara (tilt) uma vez que a mola que segura a roda não faz força suficiente para um controlo suave. Outro problema é a ausência de uma segunda roda para controlar a exposição de forma rápida. A única forma de controlar a exposição é através da aplicação DJI Go 4 o que obriga muitas vezes a fazer uma pausa no voo não tirando assim o máximo partido da bateria. Neste capítulo, o controlador do Mavic Pro é bastante melhor.

Ao contrário do que acontece no DJI Spark, a conexão com o dispositivo móvel é feita com um cabo e não pode ser feito através de Wi-Fi. Tem a opção de ligar o dispositivo através de um conector micro USB situado no lado esquerdo do controlador ou através de uma entrada USB convencional situada na frente do controlador remoto. Os suportes podem-se extender para que o controlador remoto seja compatível com um Ipad Mini.

 

 

Alcance do Controlador remoto

Talvez o ponto menos favorável neste novo modelo da DJI. Ao contrário do Phantom 4 Advanded / Pro e do Mavic Pro, a DJI não implementou a tecnologia Lightbridge e OcuSync no Mavic Air. Em vez disso, o Drone vem com um protocolo de comunicação Wi-Fi. A performance deste novo modelo é melhor do que a do DJI Spark mas fica muito aquém da performance dos modelos Phantom 4 Pro e Mavic Pro. Em zonas mais remotas, livres de interferências, a performance é razoável com um alcance de cerca de 1,5 Km até que o streaming de vídeo comece a falhar. No entanto, em zonas urbanas mais densas o alcance pode em certas situações ficar-se pelos 300m.

Autonomia da bateria

Como sempre na grande maioria dos Drones, os 21 minutos de autonomia anunciados são muito optimistas. É expectável um tempo de voo de 15 minutos antes de a bateria chegar aos 20 por cento de carga (voo normal).

O carregador

Dependendo do estado actual de carga, cada bateria demora entre 45 a 60 minutos a carregar. Uma estação de carregamento é fornecida na opção "Fly More Combo" que suporta até quatro baterias, mas o carregamento não é feito em simultâneo mas sim uma a uma.

O carregador tem duas saídas USB na frente do carregador para carregar o controlador remoto. Uma recarga completa do controlador remoto demora cerca de três horas.

Performance de voo

Apesar do seu tamanho reduzido, o Mavic Air é surpreendentemente ágil e suporta ventos até 29 Km/h. Acima disso, o Drone tem dificuldade em avançar contra o vento e manter uma trajectória precisa. Não é de esperar que o Mavic Air tenha um comportamento semelhante ao Phantom 4 Pro mas faz um bom trabalho neste capítulo. Claro que o modo desportivo permite que o Drone suporte ventos mais elevados mas à custa de um comportamento errático da "gimbal" e com as hélices a envadirem o enquadramento da imagem. Apesar disso, o modo desportivo pode ser especialmente útil para trazer o Drone de volta contra ventos mais fortes ou para o deslocarmos rapidamente para um determinado ponto de interesse. A velocidade máxima do Mavic Air anunciada pela DJI é de 64Km/h.

A capacidade de manter a altitude e estabilização do Drone é muito elevada, aliás, como vem a ser hábito em todos os modelos da DJI. O receptor GPS consegue descodificar sinais de GPS, assim como de sistemas Glonass. A gigante multinacional chinesa usou também redundância nos sensores presente no IMU com dois giroscópios e dois acelerómetros para prevenir "flyaways".

Sistemas anti-colisão

A DJI instalou sensores adicionais na retaguarda do Drone. O Mavic Air consegue "ver" obstáculos na frente e na traseira do Drone. As laterais do Drone continuam vulneráveis, mas os sistemas traseiro e frontal do Mavic Air oferecem um campo de visão de 50° para detectar obstáculos no seu caminho. Por baixo do Drone, foram instaladas duas câmaras adicionais e um módulo de infravermelhos para ajudar o sistema a manter a posição do Drone mesmo em voos indoor, onde o sinal GPS não está disponível. No geral, o sistema é bastante fiável. É necessário ter em atenção que o sistema anti-colisão não está disponível no modo desportivo.

Modos de voo inteligentes

O Mavic Air oferece vários modos de voo inteligentes e a capacidade de ser comandado através de comandos gestuais. Nestes modos, o Drone faz uma série de trajectórias pré-programadas como voar em círculos à volta de um objecto ou fazendo uma espiral para cima. O Drone grava um vídeo de acordo como o modo escolhido e gera automaticamente um vídeo de 10 segundos que é ideal para os iniciantes que querem partilhar conteúdos de qualidade nas redes sociais.

Outro modo de voo inteligente presente no Mavic Air é o Active Track que permite seguir objectos em movimento. O Mavic Air consegue automaticamente detectar pessoas, automóveis e barcos e usa diferentes estratégias para seguir os objectos. Este modo de voo é particularmente útil mas é importante perceber as suas limitações. Primeiro, é preciso lembrar que o sistema anti-colisão não tem sensores laterais pelo que qualquer modo que envolva movimentos laterais como o sub-modo "circle" ou "profile" são vulneráveis a colisões. Em segundo lugar, a partir de uma determinada velocidade, o Mavic Air pode não ter tempo de processamento necessário para evitar colisões com pequenos obstáculos como por exemplo fios de alta tensão.

Finalmente, o modo "Smart Capture" é um sistema de reconhecimento gestual que permite tirar selfies, gravar vídeos e controlar o Drone fazendo sinais gestuais em frente à câmara do Mavic Air. Este sistema foi introduzido com o DJI Spark apesar de funcionar muito melhor no Mavic Air.

Fora estes modos mais virados para os iniciantes, existem outros mais vocacionados para os interessados em captar imagens suaves. O ultra lento modo de voo "Tripod" continua presente neste modelo. Neste modo, a velocidade máxima é limitada aos 3.6 Km/h e a sensiblidade dos comandos é reduzida para que se consigam movimentos complexos e suaves. No modo "Cinematic", o tempo de paragem do Drone é extendido e a sua velocidade de rotação drasticamente reduzida. No modo de voo "Point of Interest" o piloto pode simplesmente selecionar um objecto, determinar um raio, a altitude e a velocidade e Drone sobrevoará o objecto de acordo com estas definições.

Qualidade de imagem

                Estabilização

                A "Gimbal" de três eixos funciona extremante bem e a imagem é muito estável. Apesar do seu tamanho reduzido, a pequena "Gimbal" pode receber filtros ND para aqueles que querem reduzir a velocidade do obturador.

                Taxa de transmissão (Bitrate)

                Os 60 Mbps em 4K presentes no Mavic Pro foram, de certa forma, uma desilusão. Esta limitação na taxa de transmissão por parte deste modelo implicou a introdução de artefactos estranhos que por vezes arruinavam o vídeo captado. A DJI resolveu este problema no Mavic Air, uma vez que este Drone tem uma taxa de transmissão máxima de 100Mbps.

                Resolução e Crop

                Na lista de especificações, a distância focal do Mavic Air é de 24mm (equivalência no formato 35mm). Mas a maioria dos fabricantes omitem o "Crop" e a DJI não é diferente. Primeiro, é visivel algum "crop" horizontal quando se muda do modo de fotografia para vídeo. Mas os maiores cortes acontecem acima dos 30fps a 2.7K e 1080. Estranhamente, na resolução 1920x1080 a 120fps não existe nenhum factor de "Crop" mas a qualidade de imagem deixa muito a desejar neste modo.

                Definição, ruído e amplitude dinâmica

                Usualmente, as imagens dos Drones da DJI são extremamente definidas o que leva, em certos casos, a que os utlizadores mais experientes baixem os níves de definição na aplicação DJI Go 4. Por algum motivo, a imagem do Mavic Air é mais suave do que é habitual, o que não é mau. No que à amplitude dinâmica diz respeito e sensibilidade do sensor em baixa luz, não existem milagres. O Mavic Air vem equipado com um sensor CMOS de 12 megapixeis de 1/2.3'' e nota-se quase sempre ruído na imagem, mesmo com ISOs baixos.

 

Conclusão

O Mavic Air é um excelente compromisso entre portabilidade, performance em voo e qualidade de imagem. O Mavic Air não bate nenhum recorde em nenhuma categoria, mas considerando o seu tamanho reduzido é extremamente capaz. A "Gimbal" de três eixos garante imagens estabilizadas até em condições adversas e a taxa de transmissão a 100 Mbps é suficiente para captar imagens em 4k sem a adição de artefactos estranhos. O protocolo de comunicação Wi-Fi entre controlador remoto e Drone não tem o melhor dos comportamentos em ambientes urbanos, o tempo de voo é relativamente baixo (+- 16 minutos) e o ruído na imagem está presente mesmo com o valor do ISO baixo, mas, tendo em conta o preço e o tamanho reduzido, este Drone é bastante convincente. Para termos uma ideia, o Mavic Air com uma bateria é mais leve do que uma bateria do Phantom 4 Pro. Na verdade, depende sempre das nossas prioridades. Preferimos a qualidade de imagem e a performance de voo de um Phantom 4 Advanced / Pro ou podemos trocar performance por conveniência?

Facebook